fonte: Folha de SP

Ao contrário do que comumente se observa, melhores resultados no tratamento do câncer de rim em obesos do que em pacientes com peso normal têm sido observado e vêm sendo objeto de estudos nos últimos anos.

Agravamento do diabetes, hipertensão e problemas de coração são frequentes em obesos que não controlam bem seu peso, entre várias outras doenças. Não é o caso do câncer de rim de células claras.

Em 2012, Yuni Choi e colaboradores do Samsung Medical Center, em Seul, República da Coreia, relataram no International Journal of Cancer que paradoxalmente doentes obesos apresentavam melhor prognóstico no tratamento da doença do que aqueles com sobrepeso ou peso normal.

Recentemente, na revista The Lancet Oncology de dezembro, Alejandro Sanchez e colaboradores sugerem uma explicação para esse contrassenso.

Os autores identificaram frações do código genético no tumor primário e no tecido adiposo peritumoral (a gordura corporal ao redor do tumor) em pacientes obesos e de peso normal e compararam em seguida as diferenças de expressão genética no tecido adiposo com as do próprio tumor.

A conclusão é que as diferenças encontradas e a interação complexa entre o tumor e o microambiente peritumoral observado contribuiriam para a aparente vantagem de sobrevida nos obesos.