O XXX Gastren-Rio teve continuidade nesta segunda-feira, dia 2 de agosto, com as palavras de boas-vindas do presidente da AGRJ, Dr. Bernardo Junger, que também prestou uma homenagem à um ícone da gastroenterologia nacional, que faleceu no mesmo dia:

“Hoje, teremos a oportunidade de muito aprendizado com mesas de debates de casos clínicos de hepatologia, pâncreas e vias biliares e esôfago, além de um simpósio da Takeda sobre o lançamento do Amitiza no Brasil e da Reckitt sobre o papel do anginato na doença do refluxo. E quero deixar uma homenagem ao Prof. Milton Costa, professor titular do Departamento de Anatomia da UFRJ, que nos deixou hoje. Ele desenvolveu a videofloroscopia da deglutição, padrão ouro nas disfagias orofaringes. É um exemplo para todos nós, principalmente, para os colegas da mesa de esôfago que tanto conviveram com ele, em especial à Profa. Eponina Lemme. Nossas sinceras homenagens e sentimentos à família.”

Em seguida, passou a palavra ao Prof. Carlos Eduardo Brandão Mello para mediar o debate de três casos clínicos sobre a doença hepática gordurosa do fígado, apresentados pelo Dr. João Marcello Araújo Neto. Tratam de situações cotidianas que dividem opiniões quanto aos procedimentos a serem tomados. Os debatedores convidador foram: Dra. Cláudia Oliveira (SP), Dra. Nathalie Carvalho Leite (RJ) e Dr. Paulo de Tarso Aparecida Pinto (RJ).

Prof. Brandão é professor titular do Departamento de Clinica e de Gastroenterologia da UNIRIO, chefe da Unidade de Doenças do Fígado do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle (HUGG), presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH) e membro titular da Academia Nacional de Medicina. A plateia pôde participar através de perguntas enviadas pelo ícone de trabalho “Q&A”, na barra inferior da tela, e também por meio das respostas interativas aos casos clínicos.

Na sequência, houve a apresentação o Simpósio-satélite da Takeda sobre o lançamento do Amitiza no Brasil (lubiprostona), uma opção terapêutica esperada há muito tempo no país para constipação, especialmente para a Síndrome do Intestino Irritável (SII). A aula foi ministrada pelo Prof. Ricardo Alvariz, Prof. da Disciplina de Gastroenterologia e Endoscopia da UERJ, membro da Associação Americana de Gastroenterologia, da Associação Americana de Endoscopia Digestiva e do Colégio Americano de Gastroenterologia.

Dando continuidade à programação, Dr. José Galvão-Alves (RJ) abriu a sessão clínico/radiolológica/cirúrgica/ ecoendoscópica com a participação de quatro colegas: Dr. Antônio Eiras, radiologista da UFRJ e da Rede D´Or, Dr. Eduardo Vianna, chefe da Cirurgia do Hospital Federal de Ipanema, e da ecoendoscopista Dra. Olivia Luna, diplomada em Ecoendoscopia na França. Dr. Galvão apresentou um caso clínico sobre Pâncreas e Vias Biliares, seguido de debate e perguntas interativas.

O momento seguinte foi do Simpósio-satélite da Reckitt Benckiser, ministrado pelo Dr. Joaquim Prado P. Moraes-Filho, professor livre-docente da Faculdade de Medicina da USP e diretor de Comunicação da FBG, Federação Brasileira de Gastroenterologia. O especialista falou sobre a conduta terapêutica atual para a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) e o papel ao alginato para o tratamento:

“Na verdade, é um tema importante porque a doença do refluxo gastro esofágico tem uma prevalência muito elevada, atingindo de 12 a 20% da população, ou seja, cerca de 40 milhões de pessoas tem doença do refluxo, o que gera uma série de implicações.”

Seguindo com a programação, o Dr. Bernardo Junger passou a palavra ao Dr. Luiz Abrahão Junior, que já foi presidente da AGRJ no biênio 2015/2016, para moderar o último caso clínico do dia sobre esôfago, que teve como apresentadora a Dra. Ângela Alvariz (RJ), gastroenterologista especialista da FBG, que trabalha na Endoview. Os debatedores convidados foram a Dra. Eponina Lemme (RJ) e o Prof. Gerson Domingues (RJ). Após o caso clinico houve debate e a realização de perguntas.

Dr. Luiz Abrahão, que é professor adjunto do departamento de Clínica Médica da UFRJ e médico do Serviço de Gastroenterologia do Hospital Clementino Fraga Filho (UFRJ), abriu e encerrou o caso clínico prestando uma homenagem ao saudoso Dr. Milton Costa, com o qual ele e os demais participantes desta sessão tiveram a honra de conviver de forma marcante.

“Hoje, nós tivemos uma notícia muito triste da perda do nosso querido professor Milton Costa, muito querido na nossa área, como expoente da disfagia no país, desenvolveu essa área com brilhantismo, e que nos deixou hoje, subitamente, aos seus 67 anos. Gostaríamos de deixar a nossa homenagem a ele e condolências aos seus familiares. Certamente, teremos a oportunidade de fazer uma bela homenagem tanto a nível regional, como a nível Brasil, pois ele merece”, disse o Dr. Luiz Abrahão.

“Era uma mente brilhante, um caráter excepcional, e vai deixar saudade em todos nós”, disse o Prof. Gerson Domingues.

“Convivemos muito com Milton, aprendemos muito, e nos falávamos todas as manhãs pois eu toco piano e sempre mandava músicas para ele. Todo dia me dizia – “Bom dia, minha amiga”. E. hoje, falei com ele pela última vez às 6h da manhã”, recorda a Profa. Eponina.

“Também tive a honra de aprender com ele e de compartilhar da pessoa dele em congressos. Uma pessoa realmente especial”, complementa Dra. Ângela.

O XXX Gastren-Rio termina nesta terça-feira, dia 3 , sempre contando na sala de espera do evento com o repertório musical do “Trio Quarentena” (GastroArt/FBG), formado pela Dra. Eponina Lemme (piano), pelo Dr. Luiz Artur Juruena (sax/alto) e pelo Dr. Antonio Lemme (percussão).

CONFIRA AS FOTOS