No dia 29 de setembro, ocorreu a 1ª reunião online entre a Associação de Gastroenterologia do Rio de Janeiro (AGRJ) e a Associação Fluminense das Ligas de Gastroenterologia (AFLIG). O objetivo foi discutir uma potencial parceria, visando o apoio mútuo para a promoção de ensino, pesquisa e extensão.

O encontro reuniu o presidente da AGRJ, Dr. Antônio Carlos da Silva Moraes, e três integrantes da diretoria executiva da AFLIG: a presidente da associação, Rafaella Curis Carneiro (Universidade Estácio de Sá- Campus Cittá), o diretor científico, Diego Seixas Gomes de Almeida (Universidade de Vassouras) e o diretor de marketing e comunicação, Gabriel Vinícius Damasceno Baptista (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro- UNIRIO).

Cada integrante se apresentou e na sequência a presidente da AFLIG, Rafaella Curis Carneiro, trouxe exemplos de relações entre sociedades médicas e ligas acadêmicas, apontou os objetivos da AFLIG e citou propostas para a integração entre as associações.

Ao explicar o espaço destinado às ligas acadêmicas na AGRJ, Dr. Antônio Carlos da Silva Moraes apontou os recursos disponíveis para o desenvolvimento e o estímulo de atividades.

“A Associação de Gastroenterologia do Rio de Janeiro tem o maior interesse em apoiar as ligas e tê-las ao nosso lado. Entendemos que o ligante de hoje será o gastroenterologista do futuro. A sociedade tem que ser perene, eu vou passar, outros que estão também vão passar, os que me antecederam já passaram e esses vão chegar. Nós precisamos manter a sociedade viva e ativa. Mas é muito importante que as ligas acadêmicas estejam com a documentação em dia, sejam filiadas à FBG e que os preceptores dessas ligas sejam membros da AGRJ ou da FBG”, afirma.

Como resultado da reunião, a AGRJ vai incluir em seu site uma página exclusiva para a AFLIG, além de divulgar as atividades e eventos acadêmicos promovidos. Para isso, as ligas acadêmicas devem estar de acordo com as normas do estatuto da FBG.

A AGRJ também vai aceitar a indicação de residentes de hospitais do Estado do Rio de Janeiro para a discussão de casos clínicos e a elaboração de projetos científicos. Da mesma forma, profissionais da área de Gastroenterologia serão indicados para participação em palestras acadêmicas promovidas pela AFLIG. O apoio necessário para o desenvolvimento de campanhas educativas para a população em geral foi outro ponto discutido.

O presidente da AGRJ, Dr. Antônio Carlos de Moraes, cita inclusive a possibilidade de criar “O Dia do Ligante com o Gastroenterologista”, onde o acadêmico acompanharia os serviços de ambulatório, de endoscopia, para que ele possa entender o que é a Gastroenterologia na prática.

“Naquele determinado dia um grupo de ligantes vai conviver com um gastroenterologista em seu respectivo local de trabalho para que eles tenham contato com a Gastroenterologia real e tenham certeza da escolha profissional”, ressalta Dr. Antônio Carlos Moraes.

A diretoria executiva da AFLIG é composta por sete acadêmicos de Medicina das seguintes instituições: Universidade Estácio de Sá (Campus Cittá), Universidade de Vassouras, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Universidade Iguaçu (UNIG). Segundo a presidente da associação, Rafaella Curis Carneiro, são estudantes ativos em Ligas Acadêmicas de Gastroenterologia, com grande interesse profissional na área.

“A nossa meta é que o Estado do Rio de Janeiro se torne referência na atuação acadêmica na área da Gastroenterologia. Para isso, queremos ser um braço de ação da AGRJ, atuando como um meio de comunicação e ação. Vamos estruturar iniciativas que estimulem o intercâmbio de informações, o aprimoramento do conhecimento e a solidificação do aprendizado. Ações que impactem diretamente o indivíduo, a sociedade e a saúde coletiva, estreitando laços e estruturando uma rede de apoio e suporte entre as Ligas Acadêmicas de Gastroenterologia e a AGRJ”, explica a Presidente da AFLIG.

A ideia de criar a Associação Fluminense das Ligas de Gastroenterologia surgiu após a participação da acadêmica Rafaella na construção do Congresso Brasileiro de Ligas Acadêmicas de Gastroenterologia e Hepatologia, realizado de forma online, em julho desse ano.

“Nessa convivência que eu tive com as ligas pensei em por que não fazer uma iniciativa à nível estadual? No nosso Estado, temos 20 faculdades de Medicina, sendo dez só na cidade do Rio de Janeiro. É muito fácil a gente se encontrar presencialmente no futuro, até porque existem ligas muito ativas aqui no Estado. Enquanto isso, reuniões online mensais com aulas interligas estão sendo programadas e gostaríamos de viabilizar um encontro das ligas acadêmicas dentro da programação dos congressos da AGRJ. Realmente, está sendo uma oportunidade única poder ter esse acesso direto ao presidente Dr. Antônio Carlos Moraes. Ele mesmo comentou que a tecnologia contribui demais e que, em sua época de acadêmico, jamais se imaginaria conversando com o presidente da AGRJ, que era considerado quase um mito”, revela Rafaella.