Ensino médico, ética e Drs. Bumbum

fonte: Folha de SP

por Raul Cutait – Professor do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da USP e membro da Academia Nacional de Medicina

Há poucas semanas páginas de jornais e a mídia social foram manchadas com o caso do Dr. Bumbum, que teve uma paciente que veio a falecer em decorrência de procedimento cirúrgico realizado, pasmem, em seu próprio apartamento.

Esse é, sem dúvida, um caso grave de falta de ética, vírus agressivo que tem contaminado a humanidade.

A ética é algo difícil de se conceituar, ensinar e, muito mais, praticar. Ao longo dos séculos, filósofos, sociólogos, historiadores e intelectuais têm procurado conceituá-la de forma genérica e adaptá-la para atividades específicas, levando em consideração as constantes mudanças de comportamento da sociedade.

As pessoas começam a entender o que é ética desde a infância, mesmo que de maneira vaga e intuitiva, influenciadas por seus pais, familiares e professores. Esse tema é de tal importância na medicina que existe uma cadeira na graduação voltada ao seu ensino.

Mas é fato é que os acadêmicos vão aprendendo a sua importância menos pelo estudo e mais pela prática, por meio dos exemplos de seus professores e do contato com os pacientes, e os jovens médicos vão aprimorando seu comportamento durante a residência médica, preparando-se para com ela conviver durante toda a sua vida profissional.

Faço essas considerações iniciais para esclarecer o porquê da imensa preocupação que se deve ter com o futuro do atendimento médico no Brasil. Angustia-me constatar que, além das já exageradas 200 faculdades de medicina existentes, tivemos a liberação de mais de cem novas escolas nos últimos quatro anos, a maioria em cidades de pequeno porte, em função de uma errônea visão de que precisamos de muitíssimos mais médicos para o país e de que os médicos se radicam nos locais onde estudaram.

Ora, a questão básica é a má distribuição de médicos pelo Brasil afora, ditada pelo mercado de trabalho. Mantidas todas essas faculdades, em 2030 teremos mais de 30 mil médicos formando-se anualmente e até 2050 teremos ao redor de 1 milhão de médicos para uma população estimada de 230 milhões de pessoas, o que corresponde a praticamente quatro médicos por mil habitantes, sendo que o desejável é menos da metade desse número.

Mais grave que o número excessivo de médicos é a formação precária que se pode facilmente antever, uma vez que não existem no país docentes capacitados em número suficiente para todas essas novas faculdades, bem como não existem hospitais de ensino que permitam o treinamento de todos os graduandos. Acreditar que médicos das várias cidades ou de hospitais do SUS serão competentes para ensinar é uma grande falácia.

A formação técnica e comportamental do médico, como já comentado, depende de exemplos continuamente compartilhados com os professores, à beira do leito.

Em isso não acontecendo de forma apropriada, vamos ter no mercado uma pletora de médicos despreparados, fora a deficiência adicional de falta de vagas de residência médica, que não crescerão proporcionalmente. Para mim é evidente que teremos cenários propícios para o aparecimento de muitos Drs. Bumbum.

Nesse sentido, foi muito bem-vinda a moratória de cinco anos definida pelo governo federal, impedindo que seja autorizada a abertura de novas escolas de medicina. Entretanto essa medida será inócua se não forem desenvolvidos e aplicados critérios que permitam avaliar de forma independente todas as faculdades de medicina do Brasil.

Mais ainda, é fundamental que sejam implantados mecanismos para corajosamente promover o fechamento de escolas que não preencham os critérios definidos e, obviamente, que permitam a abertura de escolas que se mostrem competentes e necessárias. O exemplo de países que passaram por situações semelhantes, como os Estados Unidos e o Japão, foi salutar.